Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Guerra, Estratégia e Armas



Quinta-feira, 19.05.16

O Jeep Atómico da Guerra Fria

 

 

Uma das armas mais curiosas do delírio nuclear da guerra fria foi o Jeep equipado com parte de um canhão sem recuo de 106 mm e uma ogiva foguete com uma bomba atómica de uma quilotonelada de potência, portanto, equivalente a mil toneladas de explosivos convencionais.

O dispositivo permitia um alcance de 2 a 2,5 km de distância e foi construído pelos americanos em 1955. Provavelmente a URSS fez o mesmo.

Este tipo de arma tática atómica era terrível pois abria uma clareira de uns 500 metros ou mais de diâmetro, destruindo tanques, blindados de infantaria e pessoal apeado. Com a versatilidade da pequena viatura Jeep podiam ser utilizadas várias e destruir qualquer frente de batalha, tornando a guerra um suicídio mútuo.

Uma eventual retaliação com armas nucleares de grande poder implicaria igual contra-retaliação, pelo que não foi por “amor à Paz” que não houve guerra entre os dois grandes rivais mundiais USA e URSS, mas sim porque a guerra tinha-se tornado literalmente impossível, até porque este Jeep lançador de arma atómico durou pouco tempo e foi substituído por mísseis lançados de camiões ou de aviões e até artilharia pesada com ogiva atómica.

Ambos os lados construíram milhares de ogivas nucleares, sendo que muitas ainda existem, nomeadamente a versátil bomba de hidrogénio B61 que pode explodir com um poder que vai de poucas quilotoneladas a umas dezenas e até dizem poder explodir com uns gramas de urânio e outros de deutério para um poder de 0,1 quilotoneladas ou 100 toneladas de explosivo convencional que num míssil de cruzeiro permite destruir qualquer navio ou grupo de navios não muito afastados uns dos outros ou base aérea ou naval, etc.

Hoje, nas pequenas guerras assimétricas, a única blindagem possível para as forças guerrilheiras ou não equipadas com armamento nuclear é a população civil. As potências não querem ficar na história como autoras de grandes holocaustos e destruir cidades, enquanto no campo aberto ou deserto, as forças assimétricas dispersam-se para não enfrentar armas muito pesadas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por DD às 23:50



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031