Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Guerra, Estratégia e Armas



Domingo, 27.03.16

Mosul pode ser conquistada pelas tropas iraquianas e curdas


O exército iraquiano lançou uma ofensiva para reconquistar a segunda maior cidade iraquiana, Mosul.
O ataca foi iniciado na semana passada a partir do distrito de Makhmour na Província de Nineveh, onde milhares de militares iraquianos e cudistãos instalaram bases com algumas forças americanas.
Apoiados pela Força Aérea Americana e pelos Pershmergas Curdos, as tropas iraquianas já reconquistaram numerosas aldeias, tendo estabelecido uma parte do corredor que as vai levar a Mosul. Trata-se da primeira fase do “Fatah” (conquista) como é designada pelos iraquianos.
Mosul com dois milhões de habitantes é a maior cidade dominada pelo Daesh. A sua conquista será problemática, dado o desejo dos iraquianos e curdos de não provocarem muitas baixas civis, sabendo-se que a população não está com o Daesh, mas tornou-se escrava dos epígonos ideológicos da enorme seita dos “Assassinyum” que dominaram a região na Idade Média com tal ferocidade que o seu nome ficou em muitas línguas, incluindo a portuguesa, como significando de assassínio.
Hoje, ficou-se a saber que os americanos têm uma base em Makhmour que era secreta até se travarem aí os primeiros combates com a morte de um militar norte-americano. A base terá sido um obstáculo intransponível para o Daesh avançar mais para o sul em direção à perdida cidade de Tikrit e a Bagdad.

 

 

 Tropas Iraquianas com armas e capacetes americanos e uniformes feitos na China que os fornece a todo o Mundo a preços baixíssimos.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por DD às 19:27

Domingo, 27.03.16

Capa da Revista Oficial DABIQ do DAESH

Nesta Revista o Estado Islâmico DAESH considera uma grande vitória a matança de Paris.

Não há alternativa que não seja ir com paraquedistas, helicópteros de combate a Raqqa e Mosul e derrotar aí o Daesh.

A Europa dos 500 milhões de habitantes civilizados e industrializados tem forças de intervenção rápida mais que suficientes para um ataque de surpresa aos centros de comando do Daesh.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por DD às 18:51

Domingo, 27.03.16

A Russia Arma o Exército Sírio e Combate com o Regime de Assad

O poderoso canhão de longo alcance russo de 152 mm 2A65 "Msta-B" a sair de Latakaia, cidade e base russa na Síria para ser entregue às forças do ditador Assad.

Talvez seja melhor que o Daesh, mas não deixa de ser uma passagém de pior para um pouco menos mal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por DD às 18:40

Domingo, 27.03.16

Primeiros Ataques Iraquianos para a conquista de Mossul

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por DD às 17:53

Domingo, 27.03.16

Combates na Síria

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por DD às 17:27

Quarta-feira, 09.03.16

Poderosa Arma Israelita Decapita Instrutor Djihadista de Decapitação

 

 


Perto de Raqqa, um jihadista especialista em decapitação explicava a um grupo de 20 recrutas o modo como se corta a cabeça a uma pessoa quando subitamente os alunos viram a cabeça do chefe saltar literalmente para fora do pescoço quase sem ruído. O jihadista não deu por nada, mas os recrutas fugiram imediatamente espavoridos e amedrontados.
A uns 1300 metros de distância, uma secção de atiradores especiais (“snipers”) britânicos constituída por cinco elementos aproximou-se do campo de treino do Daesh e disparou a notável espingarda israelita de alta precisão semiautomática com mira telescópica e silenciador Dan.338.
A arma dispara uma poderosa bala de .338 polegadas Lapua Magnum capaz de desfazer qualquer cabeça e perfurar blindagens de veículos de transporte de tropas e partes de tanques de combate. Leva um carregador de 10 balas e pesa 6,9 kg com a mira telescópica por ser em grande parte construída em alumínio, salvo o cano e a zona de disparo.
O objetivo da arma é o tiro de alta precisão a uma distância superior ao alcance das Kalashnikovs utilizadas pelo Daesh e outras forças árabes.
Ninguém sabia que os britânicos se envolveram em combates contra o Daesh, mas têm-no feito porque conseguem observar com drones, satélites e os aviões de observação alemães Tornado todas as condições do terreno e tropas presentes para desembarcar de um helicóptero e fazer um ataque surpresa sem que alguém consiga saber o que se passa.
Os djidahistas do chamado Estado Islâmico (Daesh) estão agora enfrentar a revolta da população de Raqqa à qual se juntaram em rebelião mais de 200 ex-djihadistas. Noutros locais os homens do Daesh estão a sofrer severos revezes, tendo perdido parte do território que fazia fronteira entre a Síria e a Turquia e, por outro lado, enfrentam uma grave carência de dinheiro por os bombardeamentos terem destruído os poços de petróleo que exploravam e quase os camiões tanques que o levava para a Turquia onde era vendido a pouco mais de 20 dólares o barril.
Sem fundos, os djihadistas cobram impostos gigantescos aos habitantes das zonas que dominam e, mesmo assim, não conseguem pagar aos voluntários que lutam pelo Estado Islâmico. Daí que tanto as populações se revoltam como muitos voluntários entram em rebelião.
Os djihadistas estão a abandonar a Síria e o Iraque, procurando instalar-se Líbia e daí atacar a Tunísia. Na Líbia com dois governo reina o caos e a Tunísia é um pequeno país com forças militares reduzidas, pelo que deverá ser apoiado pelo Ocidente, já que se trata da única democracia árabe.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por DD às 00:11


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031